/Entrevista como ministro da Aviação Civil do Brasil Eliseu Padilha

Entrevista como ministro da Aviação Civil do Brasil Eliseu Padilha

O ministro da Aviação Civil do Brasil Eliseu Padilha participa do FESTURIS – Feira Internacional de Turismo 2015 que ocorre em Gramado na próxima semana. Em entrevista exclusiva ele fala sobre o seu ministério, o setor turístico e conversa com o trade sobre projetos.

Ministro, hoje, em função da alta do dólar, a política do Governo é o incremento do turismo interno. Quando se quer incrementar esta indústria, o tema regionalização dos aeroportos é item básico e interessa ao trade. Como o senhor vê esta questão?

Um dos fatores mobilizadores do Programa dos Aeroportos Regionais foi propiciar que sítios turísticos do Brasil inteiro que não eram conhecidos nem pelos brasileiros e menos ainda pelo público externo passem a despertar o interesse nos nossos destinos.

Outra política do Governo para o Turismo é fortalecer os negócios turísticos com a América do Sul. Mais uma vez as questões aeroportuárias são um assunto importante e interessam ao setor turístico.

Nossos aeroportos brasileiros, quando se trata da relação internacional, são disparados os melhores aqui da América Latina. Nosso sistema aeroportuário é aprovado por 82% da população como ótimo e bom. Então a questão principal pode ser a passagem aérea. Temos que vender mais aos nossos vizinhos as nossas possibilidades turísticas e reavaliar o valor das passagens.

Foto: Divulgação

O senhor corrobora da opinião de que o Turismo está em alta no país, apesar da crise econômica?

Crise para uns é oportunidade para outros. Temos que escolher. E o setor turístico brasileiro tem tudo para colocar-se no campo das oportunidades. Com a crise, o dólar sobre e a viagem internacional se torna mais difícil. Com isso as pessoas vão viajar dentro do Brasil, é a oportunidade de crescimento do turismo interno.

Foto: Divulgação

O senhor acha viável o Aeroporto das Hortênsias em Canela ou Aeroporto Regional em Caxias do Sul com operacionalização de alto nível?

O Aeroporto de Vila Oliva, estamos trabalhando para que seja concedido à iniciativa privada para operações de carga e descarga e também de transporte de passageiros para toda a região. Não há briga com o Aeroporto Hortênsias que seria mais focado em turistas. Imagina como seria proveitoso, por exemplo, voos saindo do exterior e vindo direto para a Região das Hortênsias.

Foto: Divulgação

O Plano de Aviação Regional do Governo prevê a construção de 270 aeroportos, este processo é lento ou está em fase de aceleração?

O programa teve um tempo de maturação, tempo de aprendizado. No início deste ano já andamos muito. Neste momento 100 destes 270 aeroportos na fase do Licenciamento Ambiental e após, vamos para a licitação, que é pelo regime de RDC (Regime Diferenciado de Contratação). Vai ser rápido e os aeroportos vão sair do papel.

Foto: Divulgação

Em um momento de recessão que medidas práticas o Ministério de Aviação Civil pode adotar em favor do setor turístico?

Vamos buscar voos onde ainda não existem. O momento é de cuidar agora do turismo interno, Temos que entender como franquear o grande potencial turístico brasileiro. É possível manter o setor e quem sabe até aquecer, e, neste caso ter muito mais possibilidade de demanda do que tínhamos anteriormente.