/Marília Pêra recebe o 25º Troféu Oscarito da história

Marília Pêra recebe o 25º Troféu Oscarito da história

Ao som de uma prolongada salva de palmas e envolvida em um terno abraço dos três filhos, a diva brasileira Marília Pêra recebeu, na noite de terça-feira, 11, o troféu Oscarito deste 43º Festival de Cinema de Gramado

O público recebeu a atriz de pé, com a cerimônia que a homenagem merecia – não apenas por tratar-se de um mito da interpretação no país, mas também porque nas mãos de Marília repousou o 25º troféu Oscarito da história de Gramado, que desde 1991 destaca personalidades do cinema nacional. “É uma honra receber esse prêmio que leva o nome de um gênio da nossa comédia”, agradeceu.

Foto: Igor Pires-Agência Pressphoto/ Divulgação

Com mais de 20 filmes no currículo, Marília Pêra não apenas atuou ao longo de sua carreira, mas também cantou e dançou “com desenvoltura”, conforme destacou o apresentador Leonardo Machado. Sobre o ofício, ela comentou em um vídeo exibido no telão: “Ser atriz é fabuloso porque se o personagem é horrível, você aprende o que precisa jogar fora de sua vida. Por outro lado, pode absorver coisas lindas daqueles papéis positivos”, justificou.

A entrada em cena foi pura emoção. Parada ao centro do palco, debaixo de uma ovação da plateia lotada do Palácio dos Festivais, Marília Pêra foi surpreendida pela entrada dos três filhos no teatro – ela desconhecia o fato de que estavam em Gramado para homenageá-la. “Esses danados não me falaram nada”, admitiu a diva, já ao microfone e com a voz embargada.

Foi a deixa para que ela listasse diversas pessoas importantes em sua trajetória: “Filhos, marido, minha irmã Sandra”, iniciou, para em seguida incluir colegas de profissão que também estão na Serra Gaúcha, como “Bigode”, ou Luiz Carlos Lacerda, que compete no festival com seu “Introdução à Música do Sangue”, Bete Mendes, e os curadores desta edição Rubens Ewald Filho e Marcos Santuário. “A melhor coisa da vida é ter amigos e é o que vocês são”, resumiu a atriz.

Foto: Igor Pires-Agência Pressphoto/ Divulgação

Ao Festival de Cinema, Marília Pêra desejou uma vida ainda mais longa que os atuais 43 anos. “Sucesso a Gramado, que continue sendo motivo de reunião, discussão e progressão da nossa cultura e um motivo de muito orgulho para o nosso país”, concluiu.

Vinda dos filhos foi mantida em segredo

Marília Pêra não escondeu a surpresa ao ver os filhos descendo o corredor em direção ao palco do Palácio dos Festivais, de braços abertos e gritando seu amor a plenos pulmões para a mãe. Ela não sabia que eles estavam em Gramado.

No final da tarde de terça, enquanto Nina e Esperança davam os últimos retoques no salão de beleza para a grande noite de sua mãe, Ricardo já contava os minutos no hotel para entrar no Palácio dos Festivais e entregar o Troféu Oscarito para a atriz.

Foto:Cleiton Thiele-Agência Pressphoto/ Divulgação

 

A surpresa foi arquitetada nos mínimos detalhes, em uma missão nada fácil. Na última sexta-feira, 07, Ricardo estava de aniversário e, no jantar com Marília, precisou disfarçar quando ela contou que as malas estavam prontas para ir ao Rio Grande do Sul. “Ontem liguei para ela e disse para se cuidar pois eu acompanharia toda a homenagem pela TV. Acho que ela acreditou direitinho”, comemorava Ricardo, sorridente.

Antes da entrega do troféu, Ricardo, que apostou que Nina, a irmã mais nova, seria a mais emocionada do trio de irmãos, e também fez questão de deixar um recado antecipado para a grande homenageada. “Quem entende do balacobaco sabe que ela é demais; uma das melhores atrizes não só do Brasil, mas do mundo. Ainda quero entrar muito em cena com ela. Mãe, você tem o meu amor eterno”, declarou.

Costa Rica estreia no festival com “Presos”

A noite de homenagem a Marília Pêra foi, também, de conferir as produções cubana “Venecia”, de Kiki Alvarez, “Ausência”, de Chico Teixeira, e os curtas “Sêo Inácio”, de Helio Ronyvon, e “Virgindade”, de Chico Lacerda.

Nesta quarta-feira, 12, foi a vez de conferir “Presos”, da Costa Rica, que faz sua primeira participação na competição em Gramado – e chegou recomendado pelo prêmio de Melhor Filme e Melhor Atriz para Natalia Arias no Festival de Cinema de Santander, na Colômbia.

Também foram exibidos “O Outro Lado do Paraíso”, estrelado por Du Moscovis e dirigido por André Ristum – que já está na cidade e os curtas “Macapá” e “Haram”.