/Noite de Domingo foi de premiações no Palácio dos Festivais

Noite de Domingo foi de premiações no Palácio dos Festivais

A noite deste domingo foi movimentada no Palácio dos Festivais. Além da premiação do Prêmio Assembleia Legislativa, a programação apresentou novos longas e curtas-metragens em competição e ainda prestou duas homenagens. O secretário de cultura do Rio Grande do Sul, Luiz Antônio de Assis Brasil, ainda esteve presente trazendo boas novas para o cinema gaúcho, entre elas um edital de finalização de longas no valor de R$ 1 milhão, que deve estar disponível até o final de agosto.  Ele também anunciou edital destinado a curtas e documentários em parceria com a TVE.

Na programação, Antônio Carlos Textor, diretor porto alegrense, subiu ao palco do Palácio dos Festivais para receber uma homenagem especial do 41º Festival de Cinema de Gramado. Autor de um cinema com preocupações estéticas e existenciais, Textor frequentemente apresentava a cidade de Porto Alegre como protagonista, cenário e tema de seus filmes. “Não tenho palavras para expressar a minha gratidão. Esse é um prêmio para quem luta pelo cinema no Rio Grande do Sul”, comemorou o diretor.

A Associação Brasileira de Documentaristas (ABD) foi igualmente lembrada pelo evento com uma homenagem. Quem subiu ao palco representando a instituição foi o presidente Jaime Lerner, destacando a importância das entidades de cinema. “Esse reconhecimento vem em um momento de profundas mudanças e transições na tecnologia e na política cinematográfica. Alguns questionam se as entidades ainda deveriam existir… Bom, seria maravilhoso se o governo se desse conta de tudo. Enquanto isso ainda não acontece, elas são muito necessárias sim!”, destacou Lerner.

“A Navalha do Avô”, de Pedro Jorge, “O Matador de Bagé”, de Felipe Iesbick, e “Arapuca”, de Hélio Villela Nunes foram os curtas brasileiros em competição exibidos. Já entre os longas, “El Padre de Gardel”, de Ricardo Casas, deu continuidade à mostra de longas estrangeiros. “Tatuagem”, de Hilton Lacerda, foi o longa brasileiro da noite. “Acho que a idade do cinema parte de experiência de vidas. E esse filme vem de amor, amizade, acertos, erros e outras experiências da minha vida. Nele, estão as minhas convicções pessoais e narrativas”, comentou o diretor.

Repórter:  Matheus Pannebecker 

Foto: Edison Vara/Press Photo