/O erudito vira popular no III Gramado in Concert

O erudito vira popular no III Gramado in Concert

Nos minutos que antecederam a abertura oficial do III Gramado in Concert, na noite de sexta-feira, 3, um bate-papo descontraído marcou o encontro do Prefeito Fedoca – João Alfredo de Castilhos Bertolucci (PDT) com os músicos de renome internacional que participam do festival, o maestro gaúcho Linus Lerner, que vive no Arizona (EUA), o violinista coreano Edwin Kim, e o violista norte-americano Brett Deubner. Os três percorrem o mundo integrando concertos em diversos países e se apresentarão em espetáculos gratuitos em diversos locais públicos da cidade, oportunizando à comunidade e visitante múltiplas experiências com a música. (Foto: Apresentação no Lago Negro. Crédito: Rafael Cavalli)
“Eu quero declarar o meu amor incondicional pela música, uma das artes mais fantásticas da nossa cultura. Mais do que um orgulho, é uma honra abrir um festival com a participação de vocês”, disse o prefeito ao ser apresentado aos três artistas, que tocaram juntos pela primeira vez em Gramado: na abertura, Linus Lerner foi o maestro regente da Orquestra Sinfônica de Gramado, que teve Kim e Deubner como solistas. Kim ainda é o grande residente do festival, ou seja, solista do maior espetáculo – o Grande Concerto da Corsan com a Orquestra Sinfônica do Festival, no próximo dia 11.
“Achei a cidade fantástica, a natureza aqui é impressionante. Senti uma conexão muito grande com os músicos que participam do festival”, falou Edwin Kim sobre as impressões de Gramado, que visita pela primeira vez. Já o gaúcho Linus Lernes mostrou-se saudoso em retornar às suas origens. “É bom fazer o que gosta na própria casa, trazer o conhecimento que adquiri”, destacou.
Durante a solenidade de abertura, que começou pontualmente às 20h, a artista plástica Débora Irion subiu ao palco para o reconhecimento pela criação do troféu oficial, destinado ao vencedor do concurso de música erudita, cuja premiação ocorre no próximo dia 11. A peça é feita em metal dourado e prateado e representa a música como uma arte universal. Além do prefeito Fedoca, o secretário de Turismo Edson Néspolo, o secretário de Cultura e diretor-geral do festival, Allan John Lino, o codiretor artístico Leandro Serafim, e o maestro Linus Lernes também se pronunciaram durante a cerimônia. O vice-prefeito Evandro Moschem participou da solenidade.
Ao fim, o concerto da Orquestra Sinfônica de Gramado resumiu o que será o evento nos próximos dias: a transformação de diversos espaços públicos da cidade num imenso palco da música erudita e popular.
O III Gramado in Concert segue até 12 de janeiro com uma programação de apresentações de orquestras, bandas, recitais, coral e grupos de câmara. O festival tem ainda finalidade pedagógica, oportunizando a jovens músicos de Gramado e de todo Brasil, aulas de instrumentos e práticas coletivas, conduzidas por renomados músicos brasileiros e estrangeiros.

Foto: Da esquerda para a direita: maestro gaúcho Linus Lerner, violinista coreano Edwin Kim, prefeito Fedoca e violista norte-americano Brett Deubner, durante abertura do III Gramado in Concert. Crédito: Carlos Borges/DivulgaçãoPrefeitura de Gramado

 

Mudança de rotina
Ao longo do primeiro fim de semana, o III Gramado in Concert se espalhou por diversos pontos emblemáticos da cidade como a Rua Coberta e o Lago Negro, além de democratizar a música em outros locais da cidade serrana. Um deles foi o Hospital São Miguel, onde funcionários, pacientes e público assistiram um concerto do Quinteto de Cordas da Orquestra Sinfônica de Gramado. A apresentação mudou a rotina do lugar levando composições de Tchaikovsky, Villalobos e Piazzolla para os corredores da instituição. “Achei lindo! Dá ânimo para os pacientes e até para os funcionários. É um trabalho muito bonito”, conta a enfermeira Carmen Gubert, que trabalha há sete meses no Hospital. José Luis Muraro, paciente internado há 15 dias em tratamento para endocardite, assistiu à apresentação ao lado da esposa Sirlei Lovato Muraro. “Achei muito interessante principalmente para mim que estou há 15 dias aqui sem poder fazer muita coisa, mudou minha rotina”.

Foto: Apresentação no Hospital São Miguel. Crédito: Rafael Cavalli/ Divulgação

Experiência coreana na música
Além das apresentações inteiramente gratuitas, o evento se destaca por seu caráter pedagógico, trazendo a Gramado mais de 280 alunos de diversos pontos do Brasil, que participam de aulas pela manhã e práticas de orquestra durante a tarde. Eles são conduzidos por 29 professores em 20 modalidades de oficinas. Entre os professores internacionais está o coreano Edwin So Kim, que participa pela primeira vez do Gramado in Concert, e começou a tocar violino aos sete anos de idade, mas aos cinco já sabia que aquele instrumento guiaria a sua vida: “Antes de começar a tocar eu já reconhecia o que era um violino e sabia, lá no fundo, que eu tinha vontade de tocar, mesmo com os meus pais não permitindo. Acho que foi nesse momento que inconscientemente eu decidi que era isso o que eu faria por toda a minha vida”.

Foto: Violinista Edwin So Kim. Crédito: Rafael Cavalli/ Divulgação

A jornada de profissionalização de So Kim começou cedo: aos 15 anos, mudou-se para Viena, na Itália, para se aprofundar nos estudos de violino, e, desde então, percorreu vários países da Europa e da Ásia tocando composições de grandes compositores como Mendelssohn, Dvorak e Tchaikovsky. A apresentação na Orquestra Filarmônica de Berlim, em 2007, é um dos pontos altos da carreira do violinista, que hoje já acumula no currículo gravações com grandes gravadoras como a Sony e uma carreira como professor na universidade de música de Hanyang, na Coréia do Sul.

No Brasil, país que mora em seu imaginário desde os três anos de idade quando se encantou pelo Rio Amazonas ao folhear um livro, o coreano diz encontrar uma cultura única. “É muito excitante visitar diferentes países porque cada lugar tem sua identidade. Nesse sentido, o Brasil é o pais mais incrível que já visitei. Como professor do Gramado in Concert, penso novamente que música não tem fronteiras. Ensinar música aqui é o mesmo que ensinar música em Seul. Os alunos podem até eventualmente não entender minhas palavras, mas certamente entendem e, principalmente, sentem o que quero passar com a música”, explica. O coreano diz que a vinda a Gramado lhe trouxe grandes impressões: “É uma das cidades mais lindas que já estive, e o público aqui é muito caloroso, o que reflete uma característica que, no geral, diferencia a plateia do Brasil de outras ao redor do mundo”.
Vida com trilha sonora
A música faz parte da vida de todos participantes do Gramado in Concert. Alguns vivem dessa arte; outros, começam a descobrir sua vocação através dela. Conheça três dessas histórias:
A jovem Barbara Domingos, 20 anos, participa do Gramado in Concert desde a primeira edição do festival. De Sabará, Minas Gerais, ela conta que o interesse pelo violino foi inspirado pela família paterna, já o que seu pai é músico, e seu avô e bisavô também foram. Ela toca desde os nove anos, quando começou a fazer aulas particulares. Logo depois, passou a integrar um projeto no Centro Cultural Nansen Araujo, do SESI, e segue na Orquestra de Cordas até hoje. “Além da beleza da cidade de Gramado, a organização é a melhor dos festivais que já pude estar”, elogia. No ano passado, Barbara participou do Recital dos Alunos: “tenho um pouco de receio de palco, então, foi uma ótima oportunidade para enfrentar esse medo. Foi maravilhoso”, exalta. Nessa edição, a vinda do coreano Edwin So Kim é a atração mais esperada por Barbara, principalmente por se tratar de um violinista como ela.

Foto: Estudante Bárbara Domingos. Crédito: Élcio Paraíso/ Divulgação

Com apenas 20 anos, o gramadense Bruno Rudger está há uma década inserido no mundo da música. Acadêmico de Música na UFRGS e aluno do Conservatório da OSPA, ele hoje tem a música como profissão, mas conta que a escolha do trombone de vara aconteceu de forma inusitada quando entrou para a Banda Marcial do Colégio Estadual Santos Dumont: “Como usava aparelho ortodôntico, alguns instrumentos poderiam machucar, então tive que optar entre o trombone de vara e o saxofone, ficando com o primeiro por ser diferente”. Atualmente, Bruno é o 1º Trombone de Vara da Orquestra Sinfônica de Gramado e participa dos principais eventos de música clássica. “É comum as pessoas virem falar com a gente nos eventos para dizer que estão programadas para o Gramado in Concert. Isso é muito bom pois demonstra que, mesmo estando em sua terceira edição, o evento já está consolidado. Como gramadense, espero que ele possa aproximar mais as pessoas da música” destaca.

Foto: Estudante Bruno Rudger. Crédito: Rafael Cavalli/ Divulgação

Também gramadense Júlio César Wagner, 35 anos, é músico profissional e foi o primeiro oboísta formado pela UFRGS. Depois de passar por alguns instrumentos, Júlio conheceu o oboé e descobriu que era para ele que dedicaria seu tempo e estudos. “Toco oboé há oito anos e, quando tive minha primeira experiência, percebi que era o instrumento da minha vida. Ele é desafiador, e é isso que me encanta”, revela. O envolvimento de Júlio com a música já dura 15 anos. Hoje é o 1º Oboé na Orquestra da PUC e da UCS, além de participar da Orquestra Sinfônica de Gramado e do Quinteto Austro de Sopros. “O Gramado In Concert está trazendo a possibilidade de as pessoas conhecerem a música erudita, enquanto eu tive que sair da cidade para conseguir isso. Depois de formado, retornei, pois meu desejo é que todos tenham essa oportunidade”, comenta. Como morador de Gramado, ele percebe a procura pelo evento não apenas pelos moradores da cidade. “Muita gente de cidades próximas está buscando aulas, e algumas com um bom nível de conhecimento, até mesmo para integrar uma orquestra”, conclui.

Foto: Estudante Júlio César Vagner. Crédito: Divulgação

Confira a programação para os próximos dias:
Dia 06/02 (Segunda)
11h – Intervenção Artística com o saxofonista Roger Coicev – Rua Coberta
15h30min – Visitação aos Ensaios das Orquestras do Festival – Expogramado
18h – Quinteto de Sopros Austro – Instituto Santíssima Trindade (Bairro Moreira)
20h – Recital Redescobrindo Villa-Lobos com Olinda Allessandrini e Daniel Wolff – Rua Coberta

Foto: Cerimônia de Abertura. Crédito: Rafael Cavalli/ Divulgação

Dia 07/02 (Terça)
11h – Intervenção Artística com o violonista Laerte Hugentobler – Rua Coberta
15h30min – Visitação aos Ensaios das Orquestras do Festival – Expogramado
18h – Quinteto de Cordas da OSG – Rua Coberta
20h – Recital dos Professores – Igreja Matriz São Pedro
Dia 08/02 (Quarta)
11h – Quinteto de Cordas da OSG – Rua Coberta
15h30min – Visitação aos Ensaios das Orquestras do Festival – Expogramado
18h – Recital dos Alunos de Cordas do Festival – Auditório da Câmara de Vereadores
20h – Concerto com a Orquestra Juvenil do Sodre (Uruguai) – Expogramado

Foto: Rafael Cavalli/ Divulgação

Dia 09/02 (Quinta)
11h – Quinteto de Sopros Austro – Rua Coberta
15h30min – Visitação aos Ensaios das Orquestras do Festival – Expogramado
18h – Recital dos Alunos de Sopros e Percussão do Festival – Auditório da Câmara de Vereadores
20h – Concerto com a Orquestra de Câmara do Festival – Igreja Matriz São Pedro