/10 práticas para você desenvolver uma comunicação empreendedora autêntica

10 práticas para você desenvolver uma comunicação empreendedora autêntica

O público quer comprar originalidade, honestidade, integridade e outros valores, antes de um produto, serviço ou pessoa

A comunicação é, para mim, a habilidade do século. Sem ela, não há venda, não existe relacionamento, não se comunica o propósito nem as equipes se entendem. Isso só para falar do mundo dos negócios.

Acontece que chegamos a um estágio em que o consumidor, especialmente o consumidor da covid-19, já não corrobora com narrativas vazias, cheias de jargões e, principalmente, que não trazem verdade.

A honestidade intelectual, tema da minha coluna anterior em Época Negócios, jogará um jogo pesado nos anos 2020.

Porque a propaganda pela propaganda e as abordagens frias incomodam.

A chave está na autenticidade, no desejo do público de comprar a originalidade, a honestidade, a integridade e outros valores, antes de um produto, serviço ou pessoa.

Por isso, aqui vão 10 dicas para comunicar de forma legítima e verdadeira no mundo corporativo, criando fidelidade, respeito e, claro, fazendo crescer as oportunidades.

1. Foque no relacionamento
As pessoas estão cansadas de ser tratadas como números ou dados. Concentrar-se em desenvolver relacionamentos puros eleva o poder de conexão das pessoas com o objeto da venda, pois elas enxergam valor.

2. Você não é o herói!
Esse é um erro comum que as marcas cometem em sua comunicação: posicionar-se como heroínas. Não! A comunicação autêntica coloca as necessidades, desejos e aspirações do cliente no cerne da comunicação.

3. Eduque
Chegamos a um estágio que a audiência carece de ser educada para a compra. Quando falamos em “nutrição de lide”, significa alimenta-lo com conteúdos, informações e ensinamentos que melhorarão sua vida como um todo, e não após uma compra.

4. Diga sempre a verdade
Parece fácil, mas note quantas empresas inflam suas narrativas, mentem e manipulam. A melhor forma de comunicar é com verdade, aposentado os clichês da indústria e, acima de tudo, sendo intelectualmente honesto: se o que você vende não é para todos, faça todos saberem.

5. Ancore a comunicação em fatos
Qual dor você ou seu produto e serviço resolvem? Quais as métricas e benefícios? A audiência espera sempre ouvir algo que ela não sabe. Faça com que os outros se lembrem de você por aquilo que introduziram em suas vidas e funcionou.

6. Faça-os falar
Sobre o problema que estão enfrentando. A audiência quer alguém que entenda suas necessidades. Ser ouvida. Sua comunicação deve oferecer orientação para superar o problema, em vez de simplesmente promover serviços e produtos.

7. Ajuste o tom de voz
Se o momento pede business-to-business (B2B) ou business-to-consumer (B2C), adeque-se. Combine seu tom de voz e utilize os canais adequados para comunicar. Demonstre que você realmente se identifica com seus desafios antes de mergulhar na solução.

8. Deixe-os respirar
Dê espaço às pessoas. Deixe-as viver! Perseguir compradores no WhatsApp, por e-mail ou telefone possivelmente causará repulsa. Comunique os benefícios daquilo que você oferece e só.

9. Evite linguagem confusa
A comunicação autêntica parte do princípio da confiança do público. Se você escorrega em uma linguagem dúbia, se equivoca e perde a fidelidade do público.

10. Escute ativamente!
Existem várias maneiras diferentes de mapear uma estratégia com base na voz do cliente, e não há nada mais autêntico do que isso. Utilize avaliações de clientes, venham elas do e-mail, WhatsApp, sites ou redes sociais. A sua estratégia deve ser completa!

George B. Shaw, dramaturgo irlandês, dizia que “o maior problema com a comunicação é a ilusão de que ela já foi alcançada”. Como duvidar?

*Marc Tawil é empreendedor e estrategista de comunicação. É head da Tawil Comunicação, TEDxSpeaker, Nº 1 LinkedIn Brasil Top Voices & Live Broadcaster e host do podcast Autoperformance, na Rádio Jovem Pan. É também autor de HarperCollins Brasil, editora pela qual publicará o livro “Seja Sua Própria Marca”. Acesse o Canal Autoperformance no Telegram.

>> Este artigo foi publicado primeiramente no site Época Negócios <<