/4 perguntas para Renê Tonello

4 perguntas para Renê Tonello

Renê Tonello é presidente do Conselho de Administração da Vinícola Aurora.


1- Qual é o segredo de manter uma Vinícola no Brasil, por 90 anos?      
Acredito que a principal segredo é a perseverança, a solidariedade, a empatia. Temos que nos colocar no lugar do outro e isso não é uma simples frase retórica. Se formos adaptar esse conceito ao mercado, significa percebermos as mudanças nas formas de consumo, nos produtos mais procurados. Precisamos ter um contato muito especial também com os clientes, todos têm suas especificidades e merecem toda a atenção possível. Outro fator fundamental é pensar nos colaboradores. No nosso caso, é pensarmos na realidade das mais de 1,1 mil famílias de cooperados, nos mais de 500 funcionários e nos prestadores de serviço, que juntos somam mais de 6 mil pessoas ligadas à nossa empresa. Foi, é e sempre será fundamental cuidar das pessoas que fazem com que a Vinícola Aurora seja essa força que é hoje, entre as maiores empresas do setor no país. Nossos produtos são elaborados por pessoas para as pessoas.    
 

Foto: André Majola

2- Em 2020 é tido como um dos anos que as Vinícolas brasileiras mais venderam vinhos no Brasil. Como o sr percebeu este movimento? Qual é a sua tendência?    
A pandemia nos trouxe algumas mudanças em termos de comportamento e hábito. E uma delas é exatamente sobre o vinho, o qual passou a fazer parte da mesa do brasileiro. Muitos consumidores perceberam que o vinho é um produto que se consumido de forma moderada, além de ter propriedades que contribuem para saúde, também traz consigo a melhora na convivência familiar.   
O consumo de vinho alcançou um crescimento notável em 2020 e está sendo considerado a bebida da pandemia. O consumo per capita no Brasil passou de 2,13 litros, em 2019, para 2,78 litros, em 2020, segundo a Ideal Consulting. Este crescimento foi muito positivo para o setor vinícola, pois refletiu favoravelmente no desempenho da indústria brasileira. Para 2021, estamos bastante animados com a possibilidade de uma maior consolidação do vinho brasileiro, e falo da categoria como um todo. As pessoas, de fato, descobriram os rótulos nacionais, melhoraram muito a percepção sobre os produtos brasileiros e a Aurora, como líder de mercado de vinhos finos, acaba sendo um termômetro muito importante para o próprio setor.           
No caso específico da Aurora, muitos consumidores acabam sendo fiéis aos produtos da empresa devido à longa tradição e, especialmente, porque sabem que estarão consumindo um produto de qualidade. É claro que acompanhamos as tendências quanto à embalagem e rótulos que, junto com marcas fortes, representam importantes fatores de decisão do consumidor no momento da compra. Temos um ponto muito positivo em relação aos produtos da Aurora: oferecemos vinhos e espumantes para todas as faixas de preço, desde os de entrada, mais acessíveis, até as linhas Premium. Além da qualidade, tradição e inovação dos nossos produtos, acreditamos também que esse bom desempenho nas comercializações se deve, e muito, aos bons canais de vendas que construímos nestes 90 anos de história.  

Foto: Silvana Gentilini

Quanto a tendência de mercado, falando em produtos especificamente, de modo geral, a procura deve aumentar por vinhos mais leves, com menos álcool. Os rosés também estão se destacando, crescendo muito ano após ano, assim como os produtos que são comercializados em embalagens alternativas, como latas, bag in box e cartonadas.  

Foto: Dandy Marchetti

3- Quais os principais desafios do setor para os próximos anos?
Os desafios, na verdade, são históricos e recorrentes. Porém, cada vez mais, estão exigindo um trabalho forte e contínuo de todas as entidades e vinícolas brasileiras nas suas ações. Hoje, embora possamos comemorar um 2020 excepcional em termos de venda, ainda necessitamos consolidar mais o consumo de nossos produtos nacionais, principalmente os vinhos e espumantes, e desburocratizar a bebida, para conquistar novos consumidores. Além disso, o setor sofre muito em relação à reforma tributária, dado o alto custo Brasil na cadeia, e demostra grande preocupação com os possíveis efeitos do Acordo União Europeia e Mercosul, que certamente irão interferir diretamente no setor com possível perda de competitividade.          

4-  A cada ano as safras estão ficando melhor, quais os pontos preponderantes para que as safras fiquem cada vez melhor.       
1 – Novas variedades de uva. Experimentar as que mais se adaptam ao clima em constante mudança.
2 – Os associados sempre investindo em novas tecnologias.         
3 – Modernização em controle de produção, como caderno de campo digital, aplicativos específicos para o trabalho no campo e rastreabilidade.         
4 – Sistemas que auxiliam na tomada de decisão para o controle de pragas nas videiras.
5 – Assistência técnica ativa no campo que auxiliam os associados para condução e manejo do campo, da melhor forma possível.         
6 – Clima. A temperatura adequada, na época adequada e chuvas dentro do ideal para que a planta supra a sua necessidade.