/Folga com calor e decepção

Folga com calor e decepção

Sou um turista cheio de planos que raramente pega a estrada ou o caminho do aeroporto. A última viagem, justiça seja feita, ocorreu no início de agosto. O destino: Brasília, visitar o filho – também jornalista. Acompanhado da mulher e da filha, passei dez dias na capital federal.

O voo saía do Salgado Filho às 5h. Fazia zero grau às 3h45min quando chegamos de Uber ao aeroporto. Muito cedo… a partir de um aviso da Gol para antecipar os trâmites que incluíam procedimentos dos protocolos sanitários contra a Covid-19. Além de pouquíssimos estabelecimentos abertos àquela hora e dos já tradicionais preços extorsivos de qualquer lanche ou cafezinho, ficamos confinados em uma verdadeira geladeira.

Apesar dos incensados anúncios de modernização do terminal, a temperatura era insuportável. Uso pouca roupa no inverno, mas fui obrigado a vestir quatro peças, incluindo camiseta térmica e blusão. Vestindo o capuz do moletom optei por caminhar para manter a temperatura e preencher o tempo.

Até às 5h, hora do embarque, não vislumbrei um único fiscal da Vigilância Sanitária ou seja, não fomos submetidos a nenhum exame. Além disso, nenhum funcionário da Gol conferiu o uso das máscaras exigidas para os voos. Gandaia total em plena pandemia!

Ao chegar em Brasília, com 24°C, o “efeito cebola” nos fez dispensar, a cada 15 minutos, uma peça de roupa, o que ocupou muito espaço no retorno. Henrique nos aguardava de carro abastecido para rumar a Pirinópolis, Goiás, a 150 quilômetros. Uma casa espaçosa com três quartos, piscina e churrasqueira foi o relax no final de semana que antecedeu a estada em Brasília.

Foram dias de muito sol, chuva zero e “secura” do clima para nossos padrões de umidade eterna, seja inverno ou verão. Ficou a boa impressão de Brasília e das cachoeiras de Goiás. Mas uma enorme decepção do que seria um aeroporto moderno e confortável “pra chamar de meu” em Porto Alegre. “Seria” porque ficou apenas na promessa.

Gilberto Delmar Jasper Júnior é natural de Arroio do Meio-RS, tem 61 anos. É graduado em Jornalismo pela Unisinos em 1985. Trabalhou em jornais e rádios do Interior do Estado. Foi assessor dos governadores Antônio Britto e Germano Rigotto. Atuou como assessor de Imprensa da presidência da Assembleia Legislativa, do Tribunal de Justiça do RS, além da Câmara Municipal e prefeitura de Porto Alegre. Foi consultor do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Atualmente é coordenador de Comunicação do deputado estadual Tenente-Coronel Zucco e mantém coluna em jornais de Arroio do Meio, Farroupilha, Erechim e Santa Cruz do Sul.

* Os autores dos artigos, vídeos e podcasts assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo de sua autoria. A opinião destes não necessariamente expressa a linha editorial da Melhor do Sul.